Endividamento

Escrito por WebMaster. Publicado em DESTAQUES

O crédito ao consumo, bom ou mau, surge muitas vezes como a única e última alternativa das famílias para manterem o seu “nível de vida” por mais uns tempos – famílias. Os consumidores, por desconhecimento da lei, não sabem que o não pagamento dos “pequenos” créditos pode levar a perderem a casa – quer por via da acção executiva, quer pela insolvência. Desta forma torna-se claro que não é mantendo o crédito habitação em dia que asseguram a manutenção da casa no seu património. Esta é assegurada no âmbito de uma política geral, responsável e comum.

Insolvência

Escrito por WebMaster. Publicado em DESTAQUES

As declarações de insolvência de pessoas singulares estão a aumentar. Uma situação que revela maior conhecimento da lei e tem permitido a centenas de pessoas libertarem-se do aperto financeiro e recomeçar de novo. É esse, aliás, o objectivo da lei: permitir um recomeço, uma segunda oportunidade a quem, de repente, se vê atolado numa dívida de 100, 200 ou 300 mil euros. Famílias muitas vezes com rendimentos da ordem dos 1 500 a dois mil euros, "agarradas" pelas instituições financeiras.

Sonho e Realidade

Escrito por WebMaster. Publicado em DESTAQUES

Ainda há quem associe a palavra "falência" exclusivamente a empresas, mas os casos de pessoas singulares são cada vez mais frequentes. Em 2008, 985 pessoas terminaram o processo de insolvência. Os dados do Ministério da Justiça mostram que foi o ano com os piores números, numa curva que tem vindo sempre a subir - em 2000 tinha havido apenas 521 casos e em 2007 já eram 787. Este ano é certo que os números voltarão a aumentar, sendo esperado pelos advogados especializados nesta área que se ultrapasse largamente a fasquia dos mil processos. Basta consultar o Diário da República: em média há duas dezenas de casos tornados públicos por dia.

Obter Ajuda

Escrito por WebMaster. Publicado em DESTAQUES

Em alturas de crise, as prestações do carro, da mobília ou do cartão de crédito, são as primeiras a deixar de ser pagas, originando que as instituições financeiras lesadas (por vezes com métodos pouco ortodoxos e nem sempre pautadas pelo respeito pelo cidadão, consumidor e cliente), encetem esforços no sentido de recuperar os seus investimentos.

Frequentemente, os consumidores por desconhecimento da lei, não sabem que o não pagamento dos “pequenos” créditos pode levar a perderem a casa. Desta forma torna-se claro que não é mantendo o crédito habitação em dia que asseguram a manutenção da casa no seu património.